Santa Cruz perde para o Sport no primeiro Clássico das Multidões de 2015

Santa Cruz e Sport Recife deram a largada no Campeonato Pernambucano 2015. Apesar de ser a primeira rodada do hexagonal do título, famosa 2ª fase, o Clássico das Multidões teve cara de “final”. O Mais Querido não começou com o pé-direito, diante do seu maior rival do estado, e perdeu  de goleada por 3 x 0, no estádio do Arruda. Danilo e Élber (2)  marcaram para o Leão no segundo tempo.O público não foi dos melhores para prestigiar o primeiro clássico do ano. Por ter muitos contratados em campo, o Tricolor sentiu a falta de entrosamento e acabou pesando no desenvolvimento durante o embate. Já os rubro-negros não foram atrapalhados por esse fator e levaram certa vantagem, tanto é que ganharam o duelo .
Na próxima rodada, o Santa Cruz enfrenta o Serra Talhada e a obrigação é buscar a primeira vitória no estadual. O jogo, válido pela 2ª rodada, acontece no estádio Nildo Pereira, às 16h. Um dos obstáculos a ser superado no hexagonal é a viagem para o Sertão de Pernambuco, já que, além do Cangaceiro, ainda tem o Salgueiro.
O TIME – A semana pré-clássico foi marcada por mistério. Os técnicos tentaram esconder as escalações, mas no decorrer dos treinos vários setores das equipes foram desvendados. O treinador Ricardinho, que fez a sua estreia em uma partida oficial pelo Santa, esperou até à 0h para os nomes dos atacantes Bruno Mineiro e Anderson Aquino serem publicados no BID da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Apenas o primeiro foi registrado.
Uma das dúvidas do comandante coral era quem assumiria a camisa 1, mas um dia antes Bruno foi revelado como o titular. Sendo assim, a formação inicial foi montada com Bruno; Moisés, Danny Morais, Alemão e Léo Veloso; Edson Sitta, Bileu, Thiaguinho e Pedro Castro; Waldison e Bruno Mineiro. Dos 11 titulares, oito reforços e três remanescentes.
O TIME – A semana pré-clássico foi marcada por mistério. Os técnicos tentaram esconder as escalações, mas no decorrer dos treinos vários setores das equipes foram desvendados. O treinador Ricardinho, que fez a sua estreia em uma partida oficial pelo Santa, esperou até às 0h para os nomes dos atacantes Bruno Mineiro e Anderson Aquino serem publicados no BID da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Apenas o primeiro foi registrado.
Uma das dúvidas do comandante coral era quem assumiria a camisa 1, mas um dia antes Bruno foi revelado como o titular. Sendo assim, a formação inicial foi montada com Bruno; Moisés, Danny Morais, Alemão e Léo Veloso; Edson Sitta, Bileu, Thiaguinho e Pedro Castro; Waldison e Betinho. Dos 11 titulares, oito reforços e três remanescentes.
O JOGO – A euforia tomou conta nos primeiros movimentos de partida, as duas torcidas estavam com os nervos à flor da pele. O maior clássico do futebol pernambucano começou bastante estudado, mas o Sport Recife tocava a bola com mais tranquilidade, esperando o erro do Santa Cruz. No entanto, a defesa coral se comportava bem e evitava as investidas dos rubro-negros.
O relógio marcava 10 minutos e nenhuma finalização. A receita parecia tentar atacar com cautela, porém era visto um jogo apático. A bola parada poderia ser um diferencial. O Sport Recife teve duas tentativas e zaga do Santa Cruz mostrou serviço. Apesar de um melhor entrosamento do rival, o Mais Querido tinha total controle do embate. Aos 16 minutos, após boa jogada de Thiaguinho, o atacante Waldison desceu em velocidade, entrou na área e os zagueiros rubro-negros chegaram na hora certa para dominar as ações.
Com o passar do tempo, as equipes começavam a gostar do clássico. Aos 26 minutos, Waldison teve a melhor oportunidade do jogo. O atacante aproveitou o contra-ataque e ficou de frente para o gol, mas chutou mal e Magrão defendeu com facilidade. O time de Eduardo Baptista tinha uma posse de bola maior, contudo esse fator não foi transformado em chances de abrir o placar. A estratégia do técnico Ricardinho era explorar a velocidade de Thiaguinho e Waldison, aproveitando os contra golpes. 
A marcação do Santa Cruz estava impecável e o primeiro Clássico das Multidões seguia com o zero estampado. A lentidão do setor ofensivo do Sport Recife era o maior problema. Com apenas uma chance clara do Santa Cruz, o primeiro tempo foi finalizado exatamente aos 45 minutos e com o placar de 0 x 0.
SEGUNDO TEMPO - Santa Cruz e Sport Recife voltaram com os mesmos jogadores que iniciaram o clássico. Os torcedores esperavam soltar o grito de gol na etapa complementar. Com isso, logo nos segundos inicias, o atacante Betinho arristou de fora da área e bola passou sobre a barra de Magrão. Aos 2 minutos, o atacante Waldison aproveitou a cobrança de escanteio e subiu mais alto que a zaga adversária, mas cabeceou para fora.
O lance e o ímpeto do Mais Querido empolgou a torcida coral. Logo depois, o lateral-direito Moisés fez uma boa jogada, cruzou rasteiro e Magrão chegou antes do atacante Betinho para defender a bola. O time do técnico Ricardinho estava a mil por hora e sufocando a zaga rubro-negra. A postura era totalmente diferente da apresentada na etapa inicial. O cronometro marcava 11 minutos, quando Waldison serviu o atacante Betinho, que finalizou fraco para a fácil defesa de Magrão.
Aos poucos, o Sport Recife conseguiu igualar as ações e aos 17 minutos abriu o placar no Arruda. O volante Bileu derrubou o meia Régis dentro da área e o árbitro Marcelo de Lima Henrique viu penâlti. O meia Danilo bateu e converteu, fazendo 1  x 0 para os rubro-negros.
Atrás no placar, o técnico Ricardinho chamou o garoto Raniel, que entrou na vaga de Thiaguinho. Aos 22 minutos, o zagueiro Alemão e o atacante Joelinton se estranhram e foram expulsos. Foi nítido que o Santa Cruz sentiu o gol e minutos depois, o Sport Recife ampliou a vantagem com Élber. Depois da boa trama de Régis e Rithely, o meia saiu na cara do gol e mandou a bola para o fundo das redes.  
Assim que sofreu o segundo gol, o comandante coral acionou o atacante Bruno Mineiro, que fez a sua estreia, no lugar de Betinho. Em seguida, Renatinho entrou na vaga de Pedro Castro. Enquanto os rubro-negros administravam a vitória, o Santa tentava diminuir o placar, já que o relógio marcava 33 minutos. O meia Raniel tentou de fora da área e a bola passou por cima do gol.
Os torcedores corais começavam a deixar as arquibancadas do Arruda, até porque o clássico já estava decidido. Mas aos 42 minutos, o Sport Recife transformou o placar em goleada. O meia Élber aproveitou a troca de passes, entrou na área e fuzilou as redes do goleiro Bruno, fechando o placar do primeiro Clássico das Multidões em 3 x 0.

Campeonato: Campeonato Pernambucano / 2ª Fase
Data: 31/01/2015
Hora: 18:30
Local: Recife/PE
Estádio: Arruda
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Auxiliares: Fernanda Colombo e Clóvis Amaral (PE)
SANTA CRUZ
Escalação: Bruno; Moisés, Danny Morais, Alemão e Léo Veloso; Edson Sitta, Bileu, Thiaguinho (Raniel) e Pedro Castro (Renatinho); Waldison e Betinho (Bruno Mineiro).
Técnico: Ricardinho
Cartões Amarelos: Bileu e Moisés
Cartão Vermelho: Alemão 
SPORT
Escalação: Magrão; Alex Silva, Ewerton Páscoa, Durval e Renê; Rithely (Ronaldo), Rodrigo Mancha (Wendel), Danilo, Régis, Élber; Joelinton.
Técnico: Eduardo Baptista
Gols: Danilo e Élber (2)
Cartões Amarelos: Renê, Rithely e Magrão
Cartão Vermelho: Joelinton 

TV CORAL

CAMPEONATO BRASILEIRO - CEARÁ 1 x 3 SANTA CRUZ



------------------------------------------------------------------------------------

ENQUANTO ISSO, NO FACEBOOK